O Que é Compulsão Alimentar? Sintomas e Tratamento



Exercícios Físicos para Emagrecer Funcionam? Exercícios dá mais fome

Quase todo mundo come demais em algumas ocasiões, como finais de semana e festas no fim do ano. Mas para algumas pessoas comer excessivamente torna-se um hábito. Quando essa atitude se torna uma doença? O que é compulsão alimentar?

Veja neste artigo se você sofre de compulsão alimentar ou se alguém próximo sofre com essa doença e saiba como ajudar.

 

O que é Compulsão Alimentar?

Compulsão alimentar é uma doença mental caracterizada pela ingestão de grande quantidade de alimentos em um período de tempo delimitado (até duas horas), acompanhado da sensação de perda de controle sobre o quê ou o quanto se come. A pessoa come muito rapidamente, até o ponto de sentir desconforto.

É uma doença grave, trazendo risco de suicídio e frequentemente ocasiona outros transtornos psiquiátricos.

O transtorno da compulsão alimentar é o transtorno alimentar mais comum nos Estados Unidos, afetando 3,5% das mulheres, 2% dos homens e até 1,6% dos adolescentes. Um estudo da USP apontou que 10% dos estudantes de escolas técnicas paulistanas sofriam desse transtorno alimentar.

 

Causas

As causas da compulsão alimentar são desconhecidas, mas existem vários fatores que são associados ao início da doença:

Biológicos: anormalidades biológicas, tais como irregularidades hormonais ou mutações genéticas podem ser associadas com a compulsão alimentar e o vício em comer;

Psicológicos: uma forte correlação foi estabelecida entre depressão e compulsão alimentar. Insatisfação corporal, baixa autoestima e dificuldade em lidar com sentimentos podem contribuir para o surgimento da doença;

Social e cultural: situações traumáticas, como abuso sexual, podem aumentar o risco de compulsão alimentar. As pressões sociais para ser magra, que são tipicamente influenciadas pela mídia, podem desencadear o transtorno. Pessoas sujeitas a críticas sobre sua aparência são mais vulneráveis.

 

Sintomas da Compulsão AlimentarCompulsão Alimentar - Sintomas

A maioria das pessoas com transtorno da compulsão alimentar periódica está com sobrepeso ou obesa, mas há poucos casos em que está no peso normal. Sinais e sintomas deste transtorno alimentar incluem:

– Comer grandes quantidades de comida em um período curto de tempo (duas horas)

– Sensação de falta de controle durante o episódio, que não se pode parar ou controlar o que come

– Comer mesmo satisfeito ou sem fome

– Comer até se sentir desconfortável, com o estômago muito cheio

– Comer frequentemente sozinho ou escondido

– Sentir-se deprimido, revoltado, envergonhado, culpado ou chateado com sua alimentação

Ao contrário de uma pessoa com bulimia, depois de um episódio de compulsão alimentar, a pessoa não procura o vômito, usa laxante ou se exercita excessivamente para se livrar das calorias extras consumidas.

 

Diagnóstico e Exames

Não há um teste que indique com certeza que uma pessoa sofra de transtorno da compulsão alimentar.

Compulsão Alimentar - Médico

 

Quando Consultar um Médico?

Devido à gravidade da doença, um médico psiquiatra deve ser consultado caso você apresente qualquer um dos sintomas.

Como ajudar um ente querido que tenha os sintomas?

Uma pessoa com transtorno da compulsão alimentar periódica pode se tornar um especialista em esconder esse comportamento, tornando-se difícil para os familiares detectar o problema.

Se você tem um ente querido que apresente algum dos sintomas, converse honestamente, ofereça incentivo e apoio. Ofereça ajuda para procurar um médico qualificado.

Muitas vezes os familiares acham que parar de comer é uma escolha simples, mas não sabem o quanto alguém com essa doença sofre. As pessoas próximas também podem tentar mudar seus hábitos alimentares para incentivar o paciente.

 

Consequências da Compulsão Alimentar

As consequências da compulsão alimentar envolvem dificuldades físicas, sociais e emocionais. As principais complicações são:

  • Doença cardiovascular

  • Níveis elevados de colesterol

  • Diabetes

  • Doença da vesícula biliar

  • Fadiga

  • Hipertensão

  • Dores nas articulações

  • Dificuldades gastrointestinais (refluxo)

  • Insônia ou apneia do sono

  • Depressão e/ou ansiedade

  • Isolamento social

 

Fatores de Risco

Fatores que podem aumentar o risco de desenvolver transtorno da compulsão alimentar incluem:

Histórico familiar: Você está mais propenso a ter compulsão alimentar se seus pais ou irmão tem (ou tiveram) um distúrbio alimentar.

Problemas psicológicos: A maioria das pessoas que sofrem de compulsão alimentar sente baixa autoestima sobre seu corpo, suas habilidades e realizações. Gatilhos para a compulsão podem incluir estresse e tédio.

Dieta: Muitas pessoas com transtorno da compulsão alimentar periódica tem um histórico de frequentes dietas. Dietas muito restritivas podem desencadear um impulso de comer demais no dia seguinte, especialmente se presentes baixa autoestima e depressão.

Idade: Embora possa ocorrer em qualquer idade, a compulsão alimentar é mais frequente no final da adolescência e início dos 20 anos.

   Compulsão Alimentar - TratamentoTratamento

O tratamento inclui profissionais especializados, psiquiatras, nutricionistas e terapeutas. Visa resolver os problemas subjacentes associados com hábitos alimentares destrutivos, focando a causa central do problema.

É necessário encontrar a cura dos gatilhos emocionais que podem estar causando a compulsão alimentar, tendo a devida orientação no estabelecimento de mecanismos para lidar com o estresse, depressão, ansiedade, etc.

Há também três tipos de terapia que podem ser úteis no tratamento do transtorno:

A Terapia cognitivo-comportamental (TCC): Um tipo de terapia que visa ajudar as pessoas a entender os pensamentos e sentimentos que influenciam os seus comportamentos.

A psicoterapia interpessoal (IPT): Uma forma de terapia que foca no relacionamento do indivíduo com os membros da família e colegas, e da forma como eles se veem.

Terapia comportamental dialética (DBT): Um tipo de terapia que incide sobre o ensino de habilidades individuais para lidar com o estresse e regular as emoções.

Além desses métodos, sessões de terapia em grupo, lideradas por terapeutas especialistas nesse tipo de transtorno, bem como grupos de pessoas que sofrem da doença podem também ser métodos eficazes de estabelecer a recuperação.

 

Compulsão Alimentar - Remédios

Medicamentos

Dimesilato lisdexamfetamine (Vyvanse) é um estimulante usado para tratar déficit de atenção e hiperatividade, agora está aprovado para tratar o transtorno de compulsão alimentar em adultos. Esta droga é o primeiro medicamento aprovado pelo FDA (órgão nos Estados Unidos com a função de controlar alimentos e medicamentos) para o tratamento da compulsão alimentar. Efeitos colaterais comuns incluem boca seca e insônia, mas efeitos colaterais mais graves podem ocorrer.

Vários outros tipos de medicamentos podem ajudar a reduzir os sintomas. Os exemplos incluem:

O anticonvulsionante Topiramato (Topamax): Normalmente usado para controlar crises convulsivas, o topiramato também foi é indicado para reduzir episódios de compulsão alimentar. No entanto existem efeitos colaterais, como tonturas e pedras nos rins, por isso, discuta os riscos e benefícios com o seu médico.

Antidepressivos: Antidepressivos conhecidos como inibidores seletivos da recaptação da serotonina (ISRS) podem ser úteis. Não está claro como podem reduzir a compulsão alimentar, mas afetam certas substâncias químicas do cérebro associadas com humor.

 

Expectativas

A terapia cognitivo-comportamental mostrou-se eficaz na redução da frequência da compulsão alimentar (72% no final do tratamento e 64% após um ano) e no desaparecimento dos sintomas (41% no final do tratamento e 33% após um ano) – Fonte Wikipédia

 

Como Lidar com a Compulsão Alimentar

Viver com esse transtorno é especialmente difícil porque você tem contato diariamente com alimentos. Aqui estão algumas dicas que podem ajudar a lidar com essa doença:

Pegue leve consigo. Não foque em sua autocrítica.

Identifique situações que podem desencadear o comportamento de comer compulsivamente para que você possa desenvolver um plano para lidar com elas.

Procure por modelos positivos que podem ajudar a levantar sua autoestima. Modelos ultramagras ou atrizes apresentadas em revistas femininas muitas vezes não apresentam corpos realmente saudáveis.

Tente encontrar um amigo de confiança ou alguém, para que você possa conversar sobre o que está acontecendo.

Procure atividades saudáveis, para se divertir ou relaxar, como ioga, meditação, algum esporte ou caminhada.

Considere manter um diário sobre seus sentimentos e comportamentos. Um diário pode ajudar a saber como seus sentimentos estão relacionados com esse transtorno.

 

  Compulsão Alimentar - PrevençãoPrevenção

Embora não haja uma maneira de impedir o surgimento do transtorno da compulsão alimentar, algumas atitudes podem ser benéficas:

Ensinar jovens e crianças a não serem afetados pelos padrões de beleza, incentivando a autoestima.

Ensinar bons hábitos alimentares e explicar sobre os problemas dessa doença também são formas de prevenir.

 

Conclusão:

Muitas pessoas que sofrem de compulsão alimentar relatam que são estigmatizadas, por ser uma doença mal compreendida. Maior conscientização pública de que a compulsão alimentar é uma doença grave e de que não deve ser confundida com excessos ocasionais, farão com que quem sofre com esta doença tenha mais oportunidades de tratamento e apoio para sua recuperação.

É importante destacar que compulsão alimentar não é escolha; é uma doença que requer reconhecimento e tratamento.

 

E você, conhece alguém que sofre de compulsão alimentar? Compartilhe este artigo com seus amigos nas redes sociais para ajudar possíveis vítimas dessa doença.

 

O Que é Compulsão Alimentar? Sintomas e Tratamento
5 (100%)
2 votos

Deixe seu comentário abaixo: